• Blog
  • Ardor nos olhos: descubra quais as doenças causam esse sintoma!

Ardor nos olhos: descubra quais as doenças causam esse sintoma!

Ardor nos olhos e sintomas associados: respondemos as suas dúvidas

Você já sentiu um ardor nos olhos associado com outros sintomas, como coceira, vermelhidão, lacrimejamento e até mesmo dor de cabeça? Esse quadro não é raro e pode acometer pessoas de qualquer idade, porque está relacionado a diferentes fatores que causam sensibilidade ocular.

Embora seja algo comum, isso não significa que não devemos estar atentos quando isso acontece. Afinal, os olhos são órgãos essenciais que requerem muito cuidado. Além disso, a sensação de ardência pode tanto estar relacionada a agentes externos  ou a doenças oculares.

Por isso, preparamos este artigo para explicar quais são as possíveis causas do ardor e os sintomas que seguem junto com ele. Continue lendo para entender o que afeta negativamente a visão, para que, assim, você possa cuidar bem dos seus olhos, evitar problemas graves e ter mais qualidade de vida.

Sinais que os olhos emitem

Ter uma boa visão é essencial para desempenharmos as tarefas no dia a dia de forma independente. Mas os nossos olhos são muito sensíveis, e é por isso que precisamos cuidar muito bem deles e estarmos atentos aos sinais que emitem.

Justamente por causa dessa sensibilidade, é muito comum sentirmos coceira, percebermos vermelhidão e também ardor nos olhos. Esses sintomas incomodam bastante e, dependendo da sua causa, também desencadeiam dor de cabeça, prejudicando nossas atividades rotineiras.

É muito importante entender que os sinais que os nossos olhos emitem são respostas a algum tipo de agressão sofrida. São um alerta e, em alguns casos, até mesmo pedido de socorro, que precisa ser atendido para que a saúde ocular não seja prejudicada.

Causas do ardor nos olhos e sintomas associados

O ardor nos olhos e outros sintomas que surgem junto com ele podem ser causados por agressões externas, como o contato com a fumaça e a poeira. Em outras situações, esse sinal é emitido quando há alguma doença ocular, como a conjuntivite.

Nos dois casos, não devemos ignorar essas manifestações. É preciso entender o que está causando o quadro para eliminar o agente irritante ou buscar o devido tratamento. Afinal, as agressões que os nossos olhos sofrem podem ser inofensivas, mas também evoluir para quadros mais graves, ocasionando a perda da visão.

A seguir, listamos alguns fatores que podem desencadear o ardor nos olhos e seus sintomas associados para você entenda ao certo o que irrita a visão. Veja quais são eles!

Lubrificação inadequada

Uma produção adequada de lágrimas é fundamental para manter o globo ocular bem-lubrificado. Quando ocorre um ressecamento, manifesta-se ardor nos olhos, vermelhidão, coceira e até mesmo quadros dolorosos.

Essa lubrificação inadequada pode acontecer em função da desidratação orgânica, por permanecer em ambientes muito secos, por causa do vento, da exposição à poeira ou fumaça, da baixa umidade do ar, entre outros.

Quadros alérgicos e irritações

Quadros alérgicos, como a rinite, também causam ardor nos olhos, além de afetar as vias aéreas superiores. Eles são desencadeados por diversos fatores que podem variar de pessoa para pessoa, como é o caso de:

  • poeira;
  • fumaça;
  • poluição;
  • pólen;
  • odores fortes;
  • produtos químicos;
  • maquiagem.

Quando a alergia se manifesta, é muito importante que a pessoa procure lembrar-se das substâncias com que teve contato ou das circunstâncias às quais ficou exposta. Isso é  importante para entender o que desencadeia alergia em seu caso e evitar esses fatores, mas também é necessário procurar a ajuda de um especialista.

O ardor nos olhos pode ser o sinal de uma irritação provocada por algum agente que desencadeou uma reação alérgica ou inflamatória. A poeira, poluição e fumaça, além de causarem alergias, deixam o globo ocular irritado.

Mas não são somente elas, o uso de maquiagens, o contato com substâncias químicas, alguns cosméticos, o cloro da piscina, sabonetes e shampoos também irritam os olhos. Esse pode ser um quadro agudo que cessa de forma espontânea, ou pode desencadear uma condição mais grave se os tecidos inflamarem.

Doenças oculares

Algumas doenças que afetam a visão podem cursar com ardor nos olhos. A seguir, listamos as principais delas e suas características.

Conjuntivite

A conjuntivite é uma inflamação que afeta os tecidos oculares, provocando sintomas muito desconfortáveis, como:

Pode ser desencadeada por um quadro alérgico, mas também ser consequência de uma infecção por microrganismos, como fungos, vírus ou bactérias.

Síndrome do olho seco

Essa síndrome afeta a lubrificação do globo ocular e se caracteriza por uma produção inadequada de lágrimas ou a baixa a qualidade delas. Como consequência, os olhos ficam ressecados em sua superfície, provocando ardor, coceira e vermelhidão.

Síndrome da visão do computador

Esse é um problema muito comum atualmente, também conhecido como síndrome do uso do computador ou do uso excessivo do computador. Caracteriza-se pela redução da quantidade de piscadas em função do tempo prolongado com os olhos focados nesse eletrônico, no celular, no tablete, na televisão ou em tarefas detalhistas, que deixam os olhos cansados e ressecados.

Embora o ardor nos olhos exija atenção, é sempre importante evitar medidas caseiras para solucionar esse problema ou outros sintomas. A automedicação não é recomendada porque pode agravar a condição ou levar a outras. O ideal, então, é procurar um oftalmologista para que ele possa fazer uma avaliação e indicar a melhor medida terapêutica.

Cuidar bem da visão é fundamental para ter qualidade de vida. Por isso, baixe gratuitamente este guia prático para que você saiba como manter seus olhos sempre saudáveis!

Prof. Dr. Edmundo Almeida

Prof. Dr. Edmundo Almeida

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Pará (1976) e doutorado em Oftalmologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1981). Membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia e da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo. Pós-doutorado pela Université de Paris (1982). Atualmente é professor adjunto de graduação e residência médica em oftalmologia da na Universidade Federal do Pará, professor adjunto da Universidade do Estado do Pará, Coordenador do Serviço de Prevenção da Retinopatia da Prematuridade na Santa Casa de Misericórdia do Pará e Hospital de Clínicas.Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Oftalmologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Doenças da retina e vítreo, Cirurgia da Catarata, Transplante de Córnea, Uveítes, Prevenção da Retinopatia da Prematuridade e Hanseníase ocular.

Deixe um comentário