• Blog
  • Você sabia que a artrite reumatoide juvenil pode afetar os olhos?

Você sabia que a artrite reumatoide juvenil pode afetar os olhos?

Embora quando se fale de doenças reumáticas logo venham à mente pessoas idosas, a artrite reumatoide juvenil afeta crianças até os 16 anos. Esse distúrbio, por sua vez, pode provocar danos aos olhos. Assim, algumas doenças oculares, sobretudo na forma de inflamações, podem atingir as crianças que apresentem aquele diagnóstico fornecido pelo médico reumatologista. Nesses casos, um médico oftalmologista deve ser consultado, uma vez que os olhos podem ser afetados.

Continue a leitura e descubra como a artrite reumatoide juvenil pode afetar os olhos.

O que é a artrite reumatoide juvenil?

Algumas doenças são provocadas pelo próprio corpo, especificamente pelo sistema imunológico responsável pelas defesas do organismo. São conhecidas como doenças autoimunes. A artrite reumatoide é um desses casos e, quando acomete crianças e jovens até os 16 anos, também é conhecida como artrite idiopática (ou reumatoide) juvenil. Não se sabe a razão, mas há uma grande prevalência da doença em meninas. De todo modo, é a principal causa de artrite crônica em crianças.

A Artrite Reumatoide Juvenil é uma doença crônica, de caráter inflamatório, que surge antes dos 17 anos e afeta as articulações, tendões e outros órgãos, como os olhos, a pele e o coração. A doença pode ter diversas causas, nem sempre conhecidas. Embora a sua principal característica seja a presença de dor, em algumas crianças esse fator pode ser mínimo ou inexistente.

Os sintomas da artrite reumatoide são, na maior parte dos casos, dores nas articulações, acompanhadas de inflamações crônicas (que sempre voltam). Algumas vezes, esses sintomas podem vir acompanhados de febre e rigidez nas áreas atingidas.

Os sintomas podem variar, permanecer por um longo tempo ou nunca mais se manifestar. As respostas são muito pessoais. Nos casos sistêmicos (quando a doença sempre reaparece), as crianças podem apresentar febre e erupções na pele, além de outros sintomas.

Contudo, além de joelhos, cotovelos e demais articulações do corpo, a artrite reumatoide juvenil pode afetar algumas partes dos olhos da criança ou do adolescente. Além disso, a pele e outros órgãos do corpo também podem ser alvo da doença.

Quando a AIJ afeta os olhos, pode provocar alterações, como conjuntivite e uveíte. Além disso, os medicamentos adotados para o tratamento da AIJ, como a cloroquina e hidroxicloroquina, podem provocar efeitos colaterais que se manifestam nos olhos. Nesse sentido, é fundamental que os pacientes façam um exame de fundo de olho periodicamente.

Quais são as características da Artrite Reumatoide Juvenil?

A Artrite Reumatoide Juvenil ou Artrite Idiopática Juvenil (AIJ) como também é chamada, é a denominação de um grupo de subtipos de artrites que podem afetar crianças e adolescentes. O termo “idiopática” se deve ao fato da causa da doença ser desconhecida. Já o termo “juvenil” se refere à faixa etária na qual a doença se manifesta, abrangendo desde a infância até os 16 anos.

Suas principais características são identificadas pela inflamação nas articulações, que provocam dor e inchaço local. Há 3 tipos mais comuns de manifestação da doença:

  • pauciarticular (ou oligoarticular) — acomete 4 articulações, sendo os tornozelos e joelhos as mais frequentes. Nesses casos, as crianças devem fazer avaliações oftalmológicas a cada 3 ou 4 meses, para verificar se há inflamação na úvea (íris, corpo ciliar e coroide do olho), pois, muitas vezes, os sinais podem não ser aparentes;
  • poliarticular — atinge 5 ou mais articulações, afetando as articulações das mãos e pés, punhos, cotovelos, tornozelos e joelhos. Pode haver febre intermitente e o exame laboratorial acusar a presença do Fator Reumatoide;
  • sistêmica — apresenta sintomas de artrite associados à febre alta, com um ou dois picos diários, gânglios, serosite (inflamação da pleura e do pericárdio), erupção na pele (rash cutâneo) e aumento do fígado e do baço identificados em exame clínico.

Quais são as causas da AIJ?

A causa exata da doença ainda não foi identificada. No entanto, sabe-se que fatores genéticos, imunológicos e infecciosos estão relacionados. Nesse sentido, vários estudos apontam para uma tendência familiar. Além disso, alguns fatores externos, como determinadas infecções bacterianas e virais, bem como traumatismos articulares e aspectos emocionais podem desencadear a condição.

Quais são os principais sintomas?

Olhos secos, inchados, vermelhos e sensação de areia na área ocular, normalmente, ocorrem em doenças como a conjuntivite ou a uveíte. No entanto, esses sinais também podem indicar outro tipo de doença que atinge as articulações e os vasos sanguíneos, como a Artrite Idiopática Juvenil, cujos sintomas variam de acordo com o subtipo de doença que a criança apresenta. Em geral, estas são as principais manifestações:

  • andar manco (de manhã ou após um tempo em repouso);
  • articulações quentes (como febre local);
  • dor nas articulações;
  • febre, vermelhidão ou inflamação da pele (raramente);
  • inchaço nas articulações (principalmente nos joelhos);
  • movimentos desajeitados;
  • rigidez ao se movimentar, principalmente de manhã ou logo após uma soneca.

 Quais complicações podem ocorrer?

Determinados subtipos de artrite idiopática juvenil podem gerar problemas de crescimento e complicações oculares, como a uveíte, inflamação nos olhos que pode levar a catarata, glaucoma e até cegueira, caso não seja tratada. A propósito, a maioria das complicações da artrite idiopática juvenil se relaciona ao atraso na descoberta da doença e início do tratamento.

Portanto, o diagnóstico precoce e tratamento adequado são fundamentais para o paciente pode ter uma vida normal. Além dos problemas oculares, a doença também compromete o crescimento, pois interfere no desenvolvimento ósseo. Assim, uma baixa estatura e limitação de movimentos são possíveis complicações.

Caso não seja tratado em tempo, o tipo sistêmico de artrite idiopática juvenil pode causar outros graves problemas, como a destruição articular, a pericardite (inflamação da membrana do coração), bem como outras alterações em órgãos vitais, podendo inclusive levar a óbito.

Como a doença se relaciona com os olhos?

De maneira geral, distúrbios reumáticos são diagnosticados por meio de exames específicos. No entanto, o oftalmologista consegue, por meio de exames de fundo do olho, levantar suspeitas sobre a artrite reumatoide juvenil, por exemplo.

De modo geral, a artrite reumatoide pode se manifestar como a conhecida conjuntivite e outros distúrbios dos olhos.

Ceratoconjuntivite seca (olho-seco)

A conjuntiva é uma estrutura do olho, na verdade, uma membrana transparente recobrindo toda a parte branca do olho, assim como a superfície interna das pálpebras. Essa área se submete aos constantes movimentos do olho e precisa ser naturalmente bem lubrificada, o que se dá por meio das lágrimas.

Na ceratoconjuntivite seca ou olho-seco, há redução da presença de lágrimas, o que provoca grande irritação dos olhos pelo atrito com a parte interna da pálpebra. Essa condição traz muito desconforto para a pessoa como os sintomas da conhecida conjuntivite (ardor nos olhos e sensação da presença de areia).

Esclerite

O tecido branco do olho é chamado esclera e uma inflamação nessa região recebe o nome de esclerite, que pode ser grave se não for adequadamente tratada. Quando a artrite reumatoide provoca esclerite, o olho pode apresentar-se vermelho, muito dolorido e inchado, além de ter reduzida sua capacidade visual.

É de se destacar a intensidade da dor provocada por uma esclerite. Em razão do incômodo resultante, a pessoa acometida pode dormir mal e perder o próprio apetite. Essas condições tendem a enfraquecer ainda mais o organismo já debilitado e requerem que o tratamento seja logo iniciado.

Uveíte

A artrite reumatoide juvenil pode provocar a inflamação da úvea, um conjunto de três estruturas do olho: a íris, o corpo ciliar (músculos que controlam os olhos) e a coroide (membrana que reveste a parte posterior do olho). Nesse caso, observa-se a uveíte anterior, que atinge a parte da frente do olho, na forma de uma irite (inflamação da íris).

Como resultado, o olho torna-se vermelho, dolorido e sensível à luz, além de apresentar perda na acuidade visual. Para se evitar a ocorrência de lesões permanentes, o tratamento medicamentoso deve ser logo inciado.

Quais sintomas pode provocar nos olhos?

Como se viu, as principais doenças que afetam olhos e que podem ter origem na artrite reumatoide juvenil provocam alguns sintomas parecidos. Esses sintomas podem aparecer na ocorrência de algumas das doenças referidas e em outras não.

Vermelhidão nos olhos

Na condição conhecida como hiperemia, os olhos ficam vermelhos principalmente porque os vasos sanguíneos são atingidos. Nos casos resultantes da ação da artrite reumatoide juvenil, são os próprios instrumentos de defesa do organismo (sistema imunológico) que agridem as células dos vasos, expandindo-os pelo processo inflamatório que se instala.

Intolerância à luz

Quando ocorre fotofobia (a intolerância à luz), os olhos são profundamente incomodados se atingidos direta ou indiretamente pela luz. Essa condição pode se manifestar mesmo em uma situação de ambiente claro, não muito iluminado, mas capaz de trazer desconforto que, em certos casos, pode ser intenso.

Perda da acuidade visual

Os processos inflamatórios provocados na úvea e na esclera podem reduzir a capacidade de enxergar normalmente. Além disso, também podem surgir moscas volantes (a visualização de pontos ou manchas passando pelo campo de visão), que resultam principalmente do extravasamento de partículas dos vasos atingidos.

Por que essa artrite está associada à uveíte?

A uveíte é uma inflamação que normalmente ocorre em doenças autoimunes, pois os tecidos que compõem a úvea são muito parecidos com os das articulações e tendões. A probabilidade para a sua ocorrência é igual para todas as formas de Artrite Reumatoide Juvenil, porém, há um risco maior em crianças do sexo feminino, com menos de cinco anos.

Quais são as consequências da uveíte?

A uveíte pode provocar danos irreversíveis aos olhos, exigindo muita atenção e acompanhamento oftalmológico. É importante observar que em alguns pacientes essa inflamação não apresenta sintomas, pois nem sempre ela se manifesta por vermelhidão. Também, pode passar despercebida nos casos em que a doença afeta crianças que ainda não sabem falar e não conseguem entender alterações visuais, como a “visão turva”.

Por isso, muitas vezes, as crianças são diagnosticadas tardiamente, o que pode levar a problemas irreversíveis, como turvação da córnea, catarata, glaucoma, aumento da pressão intraocular e alterações na retina como a retinopatia, que podem ocasionar a perda de visão.

A Artrite Reumatoide Juvenil tem cura?

Essa doença não tem cura. No entanto, com as novas possibilidades de tratamento e o diagnóstico precoce, a expectativa para o seu controle pode ser muito boa. Com o tratamento, é possível que os sintomas desapareçam por muito tempo, se configurando como “fase de remissão”, na qual as medicações são desnecessárias.

Posteriormente, os sintomas podem reaparecer. Nesse caso, o tratamento precisa ser retomado de acordo com as recomendações médicas. Seguindo as orientações e mantendo uma dieta saudável, a criança consegue ter uma vida normal.

O que fazer para se prevenir da artrite?

A única maneira de prevenir a AIJ é levando a criança em consultas periódicas com o pediatra e, caso haja alguma suspeita, consultar um oftalmologista para exames e acompanhamento. Nesse sentido, é importante frisar que somente o diagnóstico precoce pode ajudar no controle da doença.

Quais são os principais tratamentos?

O tratamento da Artrite Idiopática Juvenil é direcionado ao seu controle, para que a criança consiga ter um desenvolvimento normal. Por esse motivo, é fundamental que o tratamento seja iniciado aos primeiros sinais. Os métodos para tratar a doença são diversos e aplicados de acordo com a condição de cada criança.

Também, pode ocorrer a necessidade de uma terapêutica multidisciplinar. Isso significa que o tratamento pode envolver, além de medicamentos, médicos de diferentes áreas, como oftalmologista, reumatologista pediátrico, psicólogo e fisioterapeuta ocupacional. A equipe também pode incluir nutricionista, psicólogo, nefrologista e neurologista.

Quaisquer que sejam os sintomas, um oftalmologista deve ser logo procurado para se fazer o diagnóstico correto e tratamento devido, evitando-se a evolução da doença. O ideal é a consulta periódica, capaz de detectar precocemente grande parte das ocorrências com os olhos.

Como se viu, a artrite reumatoide juvenil pode ser causa direta de inflamações oculares na criança, que precisam ser identificadas e tratadas. O trabalho dos médicos reumatologista e oftalmologista, nesses casos, é essencial para o correto tratamento.

 

 

Avatar

Prof. Dr. Alexandre Rosa

Formado em Medicina pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e doutorado em Oftalmologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia e da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo. Especialista em doenças da retina e vítreo pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Professor de Oftalmologia da Universidade Federal do Pará.

Participe do grupo exclusivo no telegram sobre doenças visuais.

Quero Participar!
Open chat
Olá...Posso ajudar?