• Blog
  • Oftalmologista de Belém explica como evitar e tratar o descolamento de retina

Oftalmologista de Belém explica como evitar e tratar o descolamento de retina

Muitas pessoas se perguntam como evitar e tratar o descolamento de retina, buscando mais informações sobre esse problema, suas possíveis consequências e métodos de prevenção para ele.

O descolamento de retina ocorre de diferentes maneiras e o tipo mais recorrente afeta 1 a cada 10 mil pessoas por ano.

Apesar desse problema não causar dores, ele pode ser acompanhado de diversos indícios, como:

  • visão turva;

  • vista embaçada;

  • flashes de luz;

  • moscas volantes e

  • perda de visão.

Felizmente, com o tratamento correto é possível eliminar esses sintomas e evitar a perda de qualidade de vida em todas as idades.

Para falar mais sobre como evitar e tratar o descolamento de retina, conversamos com a Dra. Thais Mendes, formada em medicina pela Universidade Federal do Pará e com residência em Oftalmologia pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Ela é membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia e da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo.

É, ainda, especialista em Retina e Vítreo pelo Instituto Suel Abujamra e em Ultrassom Ocular pela Santa Casa de São Paulo. A Dra. Thais também tem fellowship de pesquisa em retina pela Universidade da Califórnia e é pós-graduanda da Escola Paulista de Medicina. Atualmente, faz atendimentos clínicos e cirúrgicos em Belém, aqui na RetinaPro.

Continue lendo para conferir a entrevista com nossa oftalmologista e entender como evitar e tratar o descolamento de retina.

Quais são os fatores de risco do descolamento de retina?

Dra. Thais: Existem muitos fatores de risco para o descolamento de retina. Entre os principais estão:

  • miopia;

  • descolamento do vítreo e

  • traumas oculares.

Além disso, esse problema é mais comum com o avanço da idade.

Quais são os tipos de descolamento de retina e quais suas particularidades?

Dra. Thais: Os principais tipos de descolamento da retina são:

  • regmatogênico: é o mais comum e ocorre por rasgadura ou ruptura da retina;

  • tracional: decorrente de complicações da retinopatia diabética ou inflamações oculares e

  • seroso ou exsudativo: relacionado à coriorretinopatia central serosa ou inflamações oculares.

Qual é a relação entre as moscas volantes e o deslocamento de retina?

Dra. Thais: As moscas volantes são manchas ou pontos que se movimentam na frente no campo de visão, causadas pela movimentação do gel vítreo nos olhos que, com a idade, se degenera e se torna liquefeito e móvel.

Durante o processo natural de degeneração do vítreo, pode ocorrer tração na retina e formação de rasgaduras ou rupturas que levam ao descolamento de retina.

Como é o tratamento?

Dra. Thais: O tratamento do descolamento de retina regmatogênico ou tracional é cirúrgico na maioria dos casos. O procedimento se chama vitrectomia posterior.

Já o tratamento do descolamento seroso de retina depende da sua causa. Algumas vezes, pode haver necessidade de fotocoagulação a laser.

Como evitar o deslocamento de retina?

Dra. Thais: Apesar de não haver exatamente uma forma de evitar o deslocamento de retina, deve-se evitar as suas possíveis causas, como as lesões oculares, as inflamações e o descontrole da glicose no sangue.

Além disso, também é indicado o exame de mapeamento de retina periódico para os grupos de risco, neles se enquadram:

  • pacientes míopes;

  • pacientes com histórico familiar de descolamento de retina;

  • pessoas após traumas oculares;

  • pacientes diagnosticados com diabetes;

  • pessoas maiores de 55 anos e

  • pessoas após cirurgia de catarata.

Vale ressaltar que quando há sintomas, como flashes de luz na visão com duração de menos de 1 minuto, aumento da quantidade e tamanho das moscas volantes e manchas escuras fechando o campo de visão, é necessário procurar o médico oftalmologista especialista em retina.

A cirurgia possui 100% de eficácia?

Dra. Thais: A cirurgia de retina por microincisões, a vitrectomia posterior, tem eficácia aproximada de 85 a 90%. Já em 10 a 15% dos casos, a reoperação pode ser necessária. O resultado pode demorar vários meses. Os resultados são mais promissores quando o tratamento cirúrgico ocorre antes da parte central da retina descolar.

Agora que você já sabe como evitar e tratar o descolamento de retina, e quais são os sinais que exigem atenção, entre em contato conosco para agendar um horário e realizar um exame de mapeamento de retina em Belém. Como vimos, como o diagnóstico e tratamento precoce é possível prevenir esse problema e ter mais saúde ocular.

Tags:, , , , , , , ,

Trackback do seu site.

Avatar

Prof. Dr. Alexandre Rosa

Formado em Medicina pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e doutorado em Oftalmologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia e da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo. Especialista em doenças da retina e vítreo pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Professor de Oftalmologia da Universidade Federal do Pará.

Participe do grupo exclusivo no telegram sobre doenças visuais.

Quero Participar!
Open chat
Olá...Posso ajudar?