• Blog
  • Neuroftalmologia e Oftalmologia: descubra a diferença antes de marcar sua consulta

Neuroftalmologia e Oftalmologia: descubra a diferença antes de marcar sua consulta

Neuroftalmologia e Oftalmologia: descubra a diferença antes de marcar sua consulta

Assim como acontece em diversas áreas da Medicina, a Oftalmologia também tem as suas subespecialidades divididas, pois os elementos que envolvem a nossa visão são muitos mais complexos do que podemos imaginar. Neuroftalmologia e oftalmologia, por exemplo, são dois ramos diferentes, que tratam a saúde dos olhos de forma distinta.

Sintomas como perda de visão súbita, visão dupla ou alterações na pupila podem ser sinais de alterações neuroftalmológicas. Para esclarecer as principais diferenças entre a neuroftalmologia e a oftalmologia, criamos este artigo.

Acompanhe para saber mais sobre o assunto!

A importância de identificar o profissional correto

Na verdade, podemos dizer que o primeiro motivo de saber diferenciar a atuação desses dois profissionais é de ordem prática. Sabemos que, dependendo do lugar onde você mora, pode ser difícil ou custoso marcar uma consulta com um médico especialista na visão. Então, imagine agendar a sua consulta, aguardar o dia para, enfim, solucionar o seu problema e descobrir que não está no especialista correto.

Lembre-se de que o olho é uma região muito sensível do nosso corpo e é preciso muita atenção e cuidado em cada procedimento: um especialista habilidoso e com muito conhecimento é crucial para a sua saúde.

As principais diferenças entre neuroftalmologia e oftalmologia

Agora que já esclarecemos a importância de marcar a sua consulta com o profissional certo, vamos explicar quais são as principais diferenças entre esses dois ramos da oftalmologia. Em poucas palavras, podemos dizer que o médico oftalmologista cuida das doenças, problemas e alterações que acontecem nos olhos e que têm origem na região da visão.

Já o neuro-oftalmologista é o médico responsável por tratar os distúrbios visuais que são causados pelas alterações no sistema nervoso central e também por causa de algumas doenças sistêmicas que têm repercussão nos olhos. Isso mesmo, o nosso globo ocular é conectado ao sistema nervoso central por meio do nervo óptico, e toda e qualquer alteração que ocorre nesse sistema é especialidade do neuroftalmologista.

Os principais problemas tratados pela Oftalmologia

Os médicos oftalmologistas tratam dos distúrbios visuais que são originados nos próprios olhos. Entre as questões mais comuns, tratadas diariamente nos consultórios oftalmológicos, podemos destacar:

Alguns sintomas indicam que é preciso marcar a sua consulta com o oftalmologista, como dores de cabeça constantes, dificuldades para enxergar, sensação de visão embaçada e também dor, ardência, irritação ou coceira frequente nos olhos.

Os distúrbios mais comuns tratados pela neuroftalmologia

Como dissemos, a neuroftalmologia trata dos problemas que envolvem a ligação dos olhos com o sistema nervoso central. Entre as principais doenças estão aquelas relacionadas ao nervo óptico, que é a estrutura responsável por transmitir impulsos nervosos da retina até a parte do cérebro que decodifica as imagens.

Explicando de forma mais simples, a retina é o local onde ficam os receptores luminosos, que captam a luz e leva até nosso cérebro, que a transforma em imagens. Alguns dos distúrbios visuais mais comuns que são tratados nessa subespecialidade da oftalmologia, estão:

  • distúrbios de perda de campo visual;
  • perda de visão inexplicada;
  • perda de visão temporária;
  • visão dupla (diplopia);
  • neurite óptica (inflamação do nervo óptico);
  • neuropatia isquêmica (alteração da função do nervo óptico decorrente da mudança em sua circulação sanguínea);
  • alterações na pupila;
  • alterações na movimentação ocular;
  • baixa de visão não justificada por um exame oftalmológico normal;
  • doenças sistêmicas relacionadas aos olhos, como os distúrbios de tireoide, da glândula hipófise, associados a doenças reumatológicas etc.

Vale lembrar de que, como muitas doenças neuroftálmicas são associadas a outras partes do corpo, é habitual que o profissional interaja com outros médicos, a fim de buscar o melhor tratamento e solução. Entre eles, estão o neurologista, o reumatologista, o endocrinologista, o infectologista, o oncologista, entre outros.

A preparação para uma consulta com o neuroftalmologista

Geralmente, essa subespecialidade da oftalmologia requer informações mais detalhadas, que são de extrema relevância para entender o que acontece e, assim, encontrar o melhor diagnóstico.

Se você nunca foi ao neuroftalmologista, acompanhe algumas dicas que podem ajudar a facilitar esse momento:

  • caso você já faça um acompanhamento com outro profissional, leve todos os exames e informações que tem até o momento, como resultados de exames laboratoriais, acompanhamento de alterações e evoluções e exames de imagem (como tomografias e ressonâncias magnéticas);
  • leve também a lista de medicamentos que você toma, não apenas aqueles relacionados ao tratamento oftalmológico. Cite, ainda, todos os remédios que foram introduzidos após o problema visual surgir, com detalhes de dosagens e tempo de uso;
  • esteja preparado e mantenha-se paciente, pois é provável que seja preciso dilatar a sua pupila para a realização da consulta. Hoje em dia, o efeito do colírio utilizado por esses profissionais dura, em média, 5 horas;
  • se possível, leve um acompanhante e óculos escuros com você, para conseguir voltar para casa com mais facilidade e segurança.

Precisamos destacar que tais listas trazem apenas alguns exemplos das doenças que podem acometer os olhos e suas estruturas, e apenas um profissional é capaz de obter um diagnóstico preciso e confiável, bem como indicar os melhores tratamentos. Ao identificar alguma alteração em sua visão, fale com o seu médico imediatamente.

Conhecer as principais diferenças entre neuroftalmologia e oftalmologia é fundamental para compreender melhor a estrutura dos olhos e também conseguir identificar a necessidade de um ou de outro médico. Dessa forma, o diagnóstico é obtido de maneira mais rápida, garantindo mais qualidade de vida e também uma eficácia maior do tratamento — afinal, quanto antes começar, melhor.

Gostou de saber as diferenças entre essas duas especialidades da oftalmologia? Quer conhecer mais ou marcar a sua consulta com um profissional especializado? Fale agora mesmo com a nossa equipe!

Renato Palácios

Renato Palácios

Dr. Renato Palácios possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Pará. Especialista em doenças da retina e vítreo (retinólogo) pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, Instituto da Visão (SP) e Centre Monticelli Paradis d’Ophtalmologie (Marselha, França).

Participe do grupo exclusivo no telegram sobre doenças visuais.

Quero Participar!
Open chat
Olá...Posso ajudar?