Dor de cabeça e visão: qual é a relação?

download-300x145

Muitas pessoas se perguntam se há realmente uma relação entre dor de cabeça e visão. Esse primeiro sintoma é o tipo de dor que mais acomete a humanidade, prejudicando as tarefas do dia a dia, assim como o seu descanso.

Esse desconforto pode ser causado por diversos motivos, como estresse, falta e sono e, claro, problemas de visão. Nesse último caso, a partir da resolução do distúrbio, há o alívio dos sintomas.

Por isso, se você está com cefaleia de forma constante, uma boa ideia é visitar um oftalmologista para verificar se está tudo bem com os seus olhos e se a sua acuidade visual não pode ser a causa desse incômodo.

Continue a leitura para saber mais sobre a relação da dor de cabeça com a visão e confira quais são os problemas oculares que podem causar cefaleia.

Qual é a relação entre dor de cabeça e visão?

Como já falado, a dor de cabeça por causa da visão pode ocorrer quando há algum problema ocular. Veja quais são os principais, porque eles ocorrem e como é feito o tratamento:

Astigmatismo

O astigmatismo é um distúrbio que ocorre quando a córnea tem uma curvatura irregular, o que a faz ser mais ovalada do que deveria. Como consequência, a visão não consegue ser nítida nem de perto, nem de longe, se apresentando embaçada.

Dessa forma, além da dor de cabeça, também há a dificuldade para enxergar. Isso ocorre por causa do formato da córnea. Nesse problema, os raios de luz não conseguem convergir para um mesmo ponto na retina e distorcem a imagem. Para tentar resolver, há um esforço contínuo das estruturas da visão, provocando tensão e fazendo surgir a dor.

A principal causa do astigmatismo tem origem genética. Além disso, é importante observar que quase sempre esse problema ocorre com outros distúrbios da visão: a miopia e a hipermetropia.

A correção do astigmatismo envolve o uso de lentes específicas que apresentam uma espécie de “cilindro”, capaz de eliminar a turvação da visão. Por essa razão, essas lentes são conhecidas como cilíndricas.

Miopia

A miopia é uma dificuldade de visão que ocorre quando o olho é mais comprido que o normal de forma bem discreta. Por causa dessa anomalia, os raios de luz que chegam ao olho convergem antes de conseguirem alcançar a retina.

Desse modo, a imagem se forma antes, o que faz com que as pessoas com miopia tenham dificuldade para enxergar de longe, deixando objetos e letras borrados ou com formas indistintas, dependendo do grau do problema.

Embora a miopia não interfira na visão de objetos que estejam perto, o problema pode ser progressivo se não for tratado. Esse distúrbio da visão provoca dores de cabeça pela tensão que gera na musculatura envolvida.

É muito comum que o paciente míope não corrigido faça um movimento de franzir a testa para tentar enxergar melhor, o que a longo prazo irá causar cefaleia.

A miopia é um problema que pode ser corrigido com o uso de óculos com lentes côncavas ou negativas. Essas lentes aumentam a divergência dos raios, fazendo com que a imagem seja deslocada para trás em direção à retina.

Vista cansada

A chamada “vista cansada” é conhecida no meio médico como presbiopia e se caracteriza pela perda da capacidade de enxergar de perto. É muito comum iniciar por volta dos 40 anos, mas pode ocorrer posteriormente. Independentemente da idade, cedo ou tarde todo mundo passará por essa experiência.

O distúrbio é percebido quando surge a dificuldade para ler textos com letras pequenas, por exemplo.

O problema tem origem na perda de elasticidade do cristalino, a estrutura que é a lente do olho. Como nos casos de miopia e astigmatismo, o esforço realizado pela estrutura muscular da visão para ajustá-la faz surgir a dor de cabeça relacionada à visão.

Para resolver essa condição, é necessário usar óculos para leitura. Nesse sentido, as lentes fazem o trabalho do cristalino compensando o ajuste necessário e normalizando a visão.

Glaucoma

O globo ocular é preenchido por um líquido chamado humor aquoso, que é sempre drenado e produzido, devendo haver um equilíbrio para deixá-lo cheio. Quando essa drenagem não ocorre adequadamente, há um aumento da pressão intraocular, que prejudica o funcionamento do nervo óptico.

Em consequência, a acuidade visual vai sendo afetada cada vez mais, podendo resultar em perda da visão. No Brasil, a doença é considerada uma das principais causas de cegueira.

A dor de cabeça surge como um dos sintomas do glaucoma como resultado da pressão aumentada dentro do globo ocular. Essa ocorrência leva os nervos a uma transmissão irregular da dor que se reflete na cabeça.

É importante ressaltar que o glaucoma não causa sintomas na maioria das vezes, por isso, é uma doença muito perigosa. Em geral, os desconfortos causados só ocorrem quando a pressão ocular está muito alta.

Nesse caso, o tratamento pode ser medicamentoso ou envolver a necessidade de uma intervenção cirúrgica específica.

Uveíte

Outro problema que causa dor de cabeça relacionada à visão é a uveíte. Para entender esse problema, deve-se saber mais sobre uma estrutura do olho, chamada de úvea, uma porção média do globo ocular que é formada por 3 regiões:

  • a íris, que é a parte colorida do olho e representa a porção anterior;

  • o corpo ciliar, uma estrutura que produz o humor aquoso, representa a parte intermediária da úvea, e

  • a coroide, uma camada vascular situada atrás da retina.

A uveíte é a inflamação dessa região do olho, mas pode atingir outras estruturas oculares. Além da dor de cabeça provocada pela inflamação, podem haver outros sintomas, como:

  • vermelhidão nos olhos;

  • sensibilidade aumentada à luz e

  • embaçamento visual.

A principal causa de uveíte no Brasil é a toxoplasmose, uma doença infecciosa provocada pelo protozoário Toxoplasma gondii. Esse microrganismo está presente, principalmente, nas fezes dos gatos, o que faz com que os locais frequentados por esses animais exijam cuidados adequados para evitar riscos de contaminação.

Crianças e gestantes devem ser especialmente cuidadosas quanto às possibilidades de contaminação, evitando ambientes como as proximidades de caixas de areia em parques públicos e qualquer local que possa ser livremente frequentado pelos felinos.

Outras causas importantes que podem desencadear a uveíte são doenças reumáticas como artrite reumatoide e lúpus, entre outras. O tratamento depende diretamente da causa, podendo ser por meio de antibióticos ou anti-inflamatório. De qualquer modo, deve ser iniciado o mais cedo possível.

Se quiser ver mais lives e conteúdos exclusivos sobre a saúde ocular, doenças oftalmológicas e outros temas, não deixe de conhecer o nosso canal do YouTube.

Está com dor de cabeça por causa da visão?

Se você desconfia que está com dor de cabeça por causa da visão, não deixe de consultar um oftalmologista para verificar se está tudo bem com os seus olhos e com a sua acuidade visual.

Muitos dos distúrbios citados acima, como o glaucoma, só são diagnosticados a partir da avaliação do médico e da realização de exames. O mesmo pode ocorrer para os problemas de vista. A maioria das pessoas acaba se acostumando com suas dificuldades para enxergar e não reconhece que tem limitações para ver de longe ou de perto.

Faça suas consultas com um oftalmologista regularmente, fique atento aos sinais que o seu corpo manda e tenha uma vida melhor. Sentir dor de cabeça de forma constante não é normal e é um sinal que algo está errado, se não com os olhos com outras partes do corpo.

Gostou de saber mais sobre a relação entre dor de cabeça e visão e quer conferir mais conteúdos sobre a saúde ocular? Então siga-nos nas redes sociais para acompanhar todos os nossos conteúdos. Estamos no Facebook e no Instagram.

Prof. Dr. Alexandre Rosa

Dr. Alexandre Rosa possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Pará (UFPA/1996) e doutorado em Oftalmologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP/2005). Especialista em doenças da retina e vítreo (retinólogo) pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia e da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo. Atualmente, é médico preceptor da residência médica do Hospital Universitário Bettina Ferro de Souza, além de ser professor de Oftalmologia da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Compartilhar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Receba nossos conteúdos exclusivos!
Assine a newsletter para se manter atualizado de todas as novidades


Skip to content