• Blog
  • Retinopatia por CMV: o que é e qual a sua relação com a AIDS?

Retinopatia por CMV: o que é e qual a sua relação com a AIDS?

Retinopatia CMV: o que é e qual a sua relação com a AIDS?

A AIDS reduz a capacidade de defesa do organismo enfraquecendo o sistema imunológico. Como resultado, abrem-se as portas para infecções oportunistas, isto é, aquelas que se aproveitam de uma condição de maior fragilidade do organismo, como a retinopatia.

A retinopatia provocada pelo citomegalovírus (CMV) é uma dessas infecções. Trata-se de doença importante que acomete os pacientes de AIDS e requer diagnóstico e tratamento em tempo hábil, uma vez que representa risco de perda da visão, parcial ou totalmente.

Continue a leitura e descubra agora qual a relação entre a retinopatia por CMV e a AIDS.

Incidência de doenças oculares em pacientes com AIDS

O organismo humano submetido à contaminação pelo vírus HIV torna-se suscetível a uma grande diversidade de doenças. Na verdade, a maior parte é de infecções oportunistas, dentre as quais estão algumas doenças oculares.

Nesse sentido, até alguns anos atrás, as pesquisas atestavam que cerca de 75% dos pacientes de AIDS desenvolviam uma ou mais lesões oftálmicas ao longo da doença. Atualmente, com a introdução de novas drogas antirretrovirais, o percentual de danos à visão vem se reduzindo significativamente.

Essas infecções dos olhos, por sua vez, são ocorrências graves e que agem rapidamente. Nesses casos, quando não identificadas em tempo ou quando não tratadas adequadamente, podem evoluir para a perda parcial ou total da visão.

Além disso, podem se tornar portas abertas para outras ocorrências tão ou mais graves. Por essa razão, é necessário que se faça um acompanhamento constante na forma de consultas periódicas. Tanto a AIDS como as infecções oportunistas precisam ser identificadas tão logo estejam presentes.

A retinopatia por citomegalovírus (CMV) é a infecção oportunista ocular mais comum no caso de AIDS. E, mesmo com a evolução dos medicamentos atuais, segue como grande responsável por sérios distúrbios oculares.

Importância dos exames oftalmológicos

É importante saber que existem exames oftalmológicos capazes de identificar, entre outras condições, a presença da própria AIDS no indivíduo avaliado. Entre os principais está o chamado exame de fundo do olho ou oftalmoscopia.

O fundo do olho é a região da retina e de importantes elementos da visão. Assim, a oftalmoscopia permite visualizar estruturas como a mácula (região central da retina), os vasos retinianos, o nervo óptico, entre outras.

Por sua vez, o diagnóstico da retinopatia por CMV é clínico, ou seja, é feito a partir dos sintomas que o paciente apresenta e das condições observadas no exame de fundo do olho.

Um aspecto importante desse exame é que ele pode fornecer informações significativas sobre a saúde de pessoas de qualquer idade. Assim, recém-nascidos cujas respectivas mães estiveram sob infecção ao longo da gestação devem ser avaliados como rotina.

O exame de fundo do olho rotineiro é considerado preventivo para fins de diagnóstico da retinopatia por CMV. Sua indicação consta como protocolo oficial para o manejo da infecção por HIV em adultos e em crianças expostas.

Pacientes com AIDS devem ser orientados a realizar exames oftalmológicos a cada 3 ou 6 meses. Ao mesmo tempo, devem ser bem informados a respeito dos sintomas compatíveis com a infecção por CMV, como o borramento da visão, por exemplo.

Retinopatia por CMV

Pacientes com AIDS são especialmente suscetíveis à retinopatia provocada pelo CMV. Quando se encontram sob tratamentos antirretrovirais, a suscetibilidade se reduz significativamente, mas continua entre as mais graves complicações oculares desses pacientes.

A doença parece resultar de manifestação do CMV já anteriormente instalado no organismo (reativação). Nesse sentido, sabe-se que entre 60 e 90% das pessoas adultas já foram infectadas pelo CMV. Essa prevalência aumenta com a idade.

A pessoa com AIDS encontra-se com o sistema imunológico fragilizado pelo HIV. Nessa condição, o CMV consegue se manifestar, a retinopatia se instala e sua disseminação pode ser rápida e extensa.

Para o paciente, os primeiros sintomas da retinopatia por CMV podem incluir o surgimento de moscas volantes (pequenos pontos ou manchas escuras flutuantes) e embaçamento da visão após alguns dias. Como resultado, pode haver perda da visão periférica (lateral).

Quando a infecção se instala na retina pode começar a destruir parte dos tecidos (necrose), além de provocar hemorragia local e inflamação dos vasos que a irrigam. Além disso, é característica a presença de lesões esbranquiçadas cujos bordos granulares tendem a se estender para o restante da retina.

A doença pode, ainda, provocar um descolamento de retina, um dano grave que consiste na separação da retina da parte de trás do olho (fundo do olho). Nesse caso, é preciso tratamento adequado em tempo hábil, uma vez que pode resultar em perda da visão.

A transmissão do CMV se dá por meio de contato com sangue e fluidos corporais (saliva, urina). O transplante de órgãos é meio comum de transmissão do CMV.

Relação da retinopatia por CMV com a AIDS

Como se viu, a retinopatia por CMV é uma infecção oportunista, aproveitando-se das condições de fragilidade do organismo. No entanto, na maior parte dos casos, o agente etiológico (o vírus CMV) já estava presente no corpo do paciente.

Desse modo, com a suscetibilidade criada pela perda da imunidade provocada pelo vírus da AIDS, o CMV se manifesta. A doença costuma ocorrer mais comumente em pessoas já em estágios mais avançados da AIDS, nas quais a contagem de células T (células de defesa) é muito baixa.

Assim, uma vez se manifestando, a doença provoca os danos conhecidos, constituindo a retinopatia por CMV. As observações indicam que se instala em cerca de 20 a 30% dos pacientes de AIDS.

Por sua vez, do mesmo modo como acontece com a AIDS, pessoas em outras situações de imunossupressão (enfraquecimento do sistema imunológico) também são mais suscetíveis à doença. Nessa condição, por exemplo, estão os pacientes em terapia imunossupressora para câncer e leucemia.

A retinopatia por CMV, assim como a própria AIDS, possuem tratamentos efetivos que, no entanto, requerem diagnósticos precoces e o devido acompanhamento. Por essa razão, a grande importância dos exames preventivos de modo rotineiro, com visitas frequentes ao oftalmologista.

Como visto, a retinopatia por CMV pode vir no rastro das fragilidades imunológicas do paciente de AIDS. Exames oftalmológicos de rotina podem detectar suas primeiras manifestações e permitir o tratamento em tempo hábil.

Continue conosco em nossas redes sociais e tenha tudo o que você precisa para a saúde de seus olhos: Facebook, Twitter e Instagram.

Avatar

Prof. Dr. Alexandre Rosa

Formado em Medicina pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e doutorado em Oftalmologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia e da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo. Especialista em doenças da retina e vítreo pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Professor de Oftalmologia da Universidade Federal do Pará.

Participe do grupo exclusivo no telegram sobre doenças visuais.

Quero Participar!
Open chat
Olá...Posso ajudar?