• Blog
  • Descubra 6 coisas que você precisa saber sobre a retinopatia diabética!

Descubra 6 coisas que você precisa saber sobre a retinopatia diabética!

Já ouviu falar na retinopatia diabética? Saiba mais sobre a doença

A diabetes atinge, atualmente, mais de 16 milhões de pessoas no Brasil. Um dos grandes problemas é o controle inadequado da doença, que pode levar a diversas complicações crônicas como a retinopatia diabética, por exemplo.

Essa complicação é uma das principais causas de cegueira nesses pacientes. Por isso, é muito importante estar atento à saúde para diagnosticar o excesso de glicose no sangue e iniciar os cuidados necessários a fim de que não afete os olhos e outros órgãos do corpo.

Neste artigo, explicaremos detalhadamente o que é a retinopatia diabética e de que forma esse a doença acontece. Veja também quais são os sintomas dela, suas complicações e ainda descubra quais tratamentos estão disponíveis. Boa leitura!

O que é retinopatia diabética?

retina é uma membrana localizada na parte posterior do olho. Essa estrutura é responsável por transformar o estímulo luminoso em nervoso para que a imagem que vemos seja interpretada pelo cérebro.

A alta concentração de glicose no sangue que ocorre na diabetes causa alterações na estrutura dos vasos sanguíneos da retina. Com o tempo, essas alterações podem levar ao rompimento desses vasos, que vão interferir na visão, caracterizando a retinopatia diabética.

A retinopatia diabética é uma das principais causas de cegueira em indivíduos entre 20 e 74 anos nos países desenvolvidos. Após 20 anos convivendo com a diabetes, a retinopatia pode ocorrer em quase 100% dos pacientes com diabetes mellitus (DM) tipo 1 e em 60% dos DM tipo 2.

Um grande problema da retinopatia diabética é o fato de que essa doença pode não manifestar sintomas quando ainda está no começo. Então, o paciente que a tem em fase inicial não percebe alterações na visão, porém, as lesões se agravam com o passar do tempo, afetando a acuidade visual.

Podemos classificar essa retinopatia em dois tipos diferentes: (1) não proliferativa (RDNP) e (2) proliferativa (RDP).

No primeiro caso ela possui três fases, que são:

  1. fase inicial: pequenas áreas dos vasos sanguíneos da retina sofrem dilatações, ou seja, microaneurismas;
  2. fase moderada: acontece o bloqueio de alguns vasos sanguíneos;
  3. fase severa: uma quantidade maior de vasos sanguíneos é bloqueada e diversas regiões da retina deixam de receber o fluxo sanguíneo, não sendo oxigenadas de forma adequada.

Quando há o surgimento de vasos anômalos chamados neovasos, a retinopatia passar a ser chamada de proliferativa. Este tipo ocorre nas fases mais avançadas da doença.  A retina começa a enviar sinais para o organismo de que precisa receber mais circulação de sangue. Desse modo, surgem vasos sanguíneos muito frágeis e anormais (os neovasos). Eles podem se romper facilmente e espalhar o sangue na cavidade vítrea, sendo esse sintoma que começa a desencadear a perda da visão gradativamente.

Como a retinopatia diabética acontece?

As retinopatias podem ser desencadeadas por diversos fatores. No entanto, a retinopatia diabética é causada pelas agressões que o excesso de glicose no sangue provoca aos vasos sanguíneos dos olhos.

Mas é importante lembrar de que, se a diabetes estiver controlada, existe um risco muito menor de a doença acontecer. Sendo assim, é fundamental o diagnóstico precoce e realizar o devido tratamento para manter as taxas de açúcar no sangue em equilíbrio. Além disso, existem alguns fatores que contribuem para o agravamento da retinopatia diabética que são:

Portanto, quem já está diagnosticado com diabetes, além de manter o tratamento recomendado pelo especialista, precisa equilibrar outras taxas em seu organismo e evitar hábitos prejudiciais à saúde. Também é fundamental fazer o acompanhamento constante com um oftalmologista a fim de acompanhar a evolução do seu quadro.

Quais os sinais e sintomas da retinopatia diabética?

Os sintomas da retinopatia diabética variam conforme o tipo e estágio em que a doença se encontra. Como foi dito, quando ela ainda está no início, o paciente nem mesmo percebe o problema, porque a sua visão ainda não foi prejudicada.

No entanto, conforme os vasos sanguíneos são danificados e ocorrem alterações na retina, a retinopatia começa a desencadear diferentes sintomas incômodos. Os principais são:

  • perda parcial ou total da visão;
  • dor nos olhos;
  • visão turva;
  • olhos vermelhos;
  • sensação de pressão nos olhos;
  • visualização de sombras;
  • perda da visão periférica ou central;
  • visão distorcida;
  • vista embaçada;
  • dificuldade para enxergar à noite.

Pelo fato de que é difícil identificar sozinho a retinopatia diabética no começo, é muito importante que todas as pessoas com diabetes façam acompanhamento oftalmológico para observar a saúde dos olhos. Assim, o profissional pode identificar a doença em seu estágio inicial, sendo possível adotar medidas que evitem o agravamento do problema e a consequente perda total da visão.

Porém, antes disso, todas as pessoas precisam se conscientizar da necessidade de fazer exames de rotina periodicamente incluindo o exame de fundo de olho ou mapeamento de retina. São eles que ajudam a identificar a diabetes, que também é uma doença silenciosa e pode afetar seriamente toda a saúde orgânica.

Existem fatores de risco e complicações desse problema?

Como a retinopatia diabética é o principal fator de risco da diabetes, é preciso estar atento a pessoas que têm maior propensão para o desenvolvimento desta doença, que são aquelas com histórico familiar. Mas também podem elevar as taxas de glicose no sangue aqueles que:

  • estão com peso corporal acima do saudável;
  • não praticam atividades físicas;
  • consomem muitos doces e carboidratos simples;
  • têm colesterol alto ou hipertensão.

É válido lembrar de que o avanço da idade também se caracteriza como um fator de risco para o desenvolvimento de diabetes e, consequentemente, da retinopatia diabética. Isso acontece devido às alterações do metabolismo e, quando elas estão associadas a outros fatores de risco, as chances aumentam ainda mais.

Também é importante frisar que a diabetes gestacional também se caracteriza como um risco para a saúde dos olhos. Sendo assim, é muito importante que as mulheres grávidas realizem o pré-natal e façam o acompanhamento oftalmológico para realizar o exame de fundo de olho pelo menos a cada trimestre da gestação. Além desses, outros fatores de risco são:

  • necessidade de uso de insulina;
  • tempo de evolução da diabetes;
  • acometimento renal;
  • puberdade
  • aumento dos triglicerideos (associado).

Além da perda da visão, a retinopatia diabética oferece outros riscos para a saúde dos olhos, como o inchaço da mácula, o descolamento da retina e hemorragias intraocularesOutra complicação é o edema macular diabético que ocorre quando essa doença não é tratada.

Ela acontece porque os vasos deteriorados pela retinopatia têm sua permeabilidade aumentada, o que leva ao extravasamento de fluidos para o espaço da retina central (mácula). A inflamação local ocasiona a liberação dos fatores pro-inflamatórios e de crescimento do endotélio vascular (VEGF), agravando ainda mais o edema e a perda da visão central.

Como a retinopatia diabética é diagnosticada?

O diagnóstico da retinopatia diabética é feito por meio de exames oftalmológicos. O teste de acuidade visual é eficaz para verificar o grau de visão do paciente, mas é possível observar as estruturas oculares de uma forma mais completa, como por meio da fundoscopia e mapeamento da retina, o exame de fundo dos olhos, que possibilita analisar o polo posterior e a periferia da retina.

Outro exame possível é a angiografia fluoresceínica, que detecta os sinais da retinopatia. Por meio desta, capturamos imagens sequenciais para visualizar os vasos sanguíneos e identificar problemas neles. Também podem ser realizada  a tomografia de coerência óptica (OCT). Todos permitem observar com detalhes a retina e identificar possíveis alterações nessa estrutura.

Por isso, ressaltamos que é fundamental passar pelas consultas oftalmológicas quando diagnosticado com diabetes. Afinal, esses exames mais detalhados das estruturas oculares facilitam a identificação de alterações, ainda que mínimas, para iniciar o tratamento o quanto antes.

É possível tratar essa doença?

A retinopatia diabética, infelizmente, ainda é um problema que não pode ser curado definitivamente. Entretanto, recebendo o tratamento adequado, é possível reduzir a perda da visão e manter o quadro estabilizado. Para isso, é fundamental que o paciente mantenha a diabetes controlada e evite os fatores de risco.

Quando a retinopatia ainda está no começo, se não for identificado o edema macular, não é necessário efetuar nenhum tipo de tratamento, bastando acompanhar a progressão da diabetes. Mas se a doença estiver classificada como edema ou proliferativa, será necessária uma intervenção.

Uma opção é o tratamento com laser, que elimina os vasos sanguíneos anormais e trata as áreas isquêmicas da retina. Por meio dele, conseguimos manter a acuidade visual que ainda resta e, em alguns casos, ela pode até mesmo melhorar.

Quando ocorre uma hemorragia vítrea mais grave ou descolamento da retina, pode ser adotado o tratamento de vitrectomia. Nele, são removidos o sangue e o vítreo, que é substituído por uma substância biocompatível.

Outra opção é o tratamento com medicamentos de uso intraocular. Nesse caso, são administradas substâncias anti-inflamatórias (corticoides) e/ou medicamentos antiangiogênicos. Eles reduzem o edema e minimizam a proliferação dos vasos. A melhor técnica é definida pelo especialista conforme a necessidade do paciente.

A retinopatia diabética causa sérios prejuízos para a visão e não é possível curá-la definitivamente. Por isso, o ideal é fazer a prevenção, evitando, primeiramente, que a diabetes se manifeste. Contudo, caso ela já esteja instalada, é fundamental controlá-la e passar por acompanhamento com um oftalmologista constantemente para evitar a perda total da visão.

Saiba mais sobre a retinopatia diabética. Entre em contato conosco e converse com nossos especialistas. Aproveite para agendar o seu horário e fazer uma consulta de avaliação.

Tags:,

Avatar

Prof. Dr. Alexandre Rosa

Formado em Medicina pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e doutorado em Oftalmologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia e da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo. Especialista em doenças da retina e vítreo pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Professor de Oftalmologia da Universidade Federal do Pará.

Participe do grupo exclusivo no telegram sobre doenças visuais.

Quero Participar!
Open chat
Olá...Posso ajudar?