• Blog
  • Conheça 6 doenças que causam a inflamação dos vasos da retina!

Conheça 6 doenças que causam a inflamação dos vasos da retina!

Conheça 6 doenças que causam a inflamação dos vasos da retina!

Os olhos são especialmente sensíveis diante de diversas doenças que afetam o organismo humano. A ocorrência de vasculite retiniana (inflamação dos vasos da retina) é um dos danos que podem ser provocados.

Algumas doenças resultam de infecções oportunistas que se manifestam quando o sistema de defesa do corpo está fragilizado. Outras, por sua vez, têm natureza autoimune, isto é, o próprio sistema imunológico ataca o corpo.

Continue a leitura e conheça 6 doenças que causam inflamação dos vasos da retina.

1. Sarcoidose

A sarcoidose, também conhecida pelo nome de doença de Besnier-Boeck, é considerada de baixa ocorrência no Brasil. Apesar de ocorrer em todo o mundo, mas com maior predominância em algumas regiões, suas causas ainda são desconhecidas.

A principal característica da sarcoidose é o surgimento de granulomas (pequenos nódulos inflamatórios) não infecciosos. Em geral, tem início nos pulmões, pele e gânglios linfáticos, mas pode acometer qualquer órgão do corpo.

O envolvimento dos olhos é uma manifestação comum da doença, sobretudo com a ocorrência de uveíte (inflamação da úvea, que pode atingir a retina e o nervo óptico). Os vasos da retina (vasculite retiniana) são particularmente afetados nos casos de uveíte posterior.

Por essa razão, pessoas com sarcoidose, mesmo sem qualquer incômodo nos olhos, devem se consultar com um oftalmologista. A abordagem oportuna pode evitar danos permanentes.

2. Tuberculose

A tuberculose é uma doença infecciosa, provocada por uma bactéria, geralmente a Mycobacterium tuberculosis, conhecida como bacilo de Koch. Apesar de se desenvolver principalmente nos pulmões, a doença pode alcançar outros órgãos migrando ou contaminando diretamente.

No caso dos olhos, a bactéria pode causar a tuberculose ocular, às vezes chamada de uveíte por tuberculose, em razão de provocar inflamação na úvea, e também vasculite retiniana. Na verdade, o número de casos de tuberculose ocular vem crescendo e envolvendo também a infecção direta do olho, sem origem em outro órgão.

A tuberculose pode acometer todas as partes do olho. A evolução da doença não tratada adequadamente pode levar a complicações como descolamento da retina, edema macular, glaucoma e catarata, entre outras.

O tratamento da tuberculose ocular é demorado e realizado com o uso de antibióticos. Em razão do tempo exigido para a cura, é preciso garantir o acompanhamento correto e as consultas com o oftalmologista conforme for a orientação médica.

3. Lúpus eritematoso sistêmico

O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença autoimune, isto é, ocorre por ação do próprio sistema imunológico (as defesas do organismo). Os sintomas são diversos e incluem, entre outros, dores nas articulações, manchas na pele e febre.

A doença não tem cura, mas pode ser tratada garantindo qualidade de vida. Muita gente convive com o LES e nem se lembra disso.

No entanto, podem ocorrer crises, com intensificação dos sintomas e, posteriormente, haver melhora significativa, voltando tudo à normalidade.

O LES pode afetar todo o olho e seus anexos. Na parte posterior do globo, a retina e os vasos (vasculite retiniana) que a alimentam podem ser atingidos com graves riscos de redução da capacidade visual.

O paciente com lúpus deve informar ao seu médico qualquer alteração que observe no organismo. Por sua vez, a própria medicação utilizada para controle do LES pode provocar complicações, como no caso do uso de corticoides.

4. Granulomatose de Wegener

A granulomatose de Wegener é uma vasculite (inflamação dos vasos sanguíneos), provocada pelo próprio sistema imunológico da pessoa (doença autoimune). A inflamação em si e a consequente destruição dos vasos podem resultar em dificuldades para a circulação do sangue para vários tecidos e órgãos do corpo.

Seu nome se deve à formação de granulomas, isto é, tecidos inflamatórios irregulares no formato de grânulos. O desenvolvimento desses grânulos é que provoca a necrose e perda dos vasos sanguíneos.

A granulomatose de Wegener é uma doença muito grave e, se não tratada adequadamente, pode levar ao óbito da pessoa. Sua ocorrência pode afetar um só órgão ou manifestar-se de modo generalizado.

Inicialmente, após cansaço e perda do apetite, pode se parecer com um resfriado demorado, com manifestações de rinite e sinusite. De repente, os sintomas podem se agravar e não responder a qualquer tratamento convencional.

Além das vias aéreas, pulmões e rins, os olhos podem ser acometidos. Nesse caso, pode haver oclusão (fechamento) da artéria da retina secundário a vasculite retiniana e lesão do nervo óptico, entre outras consequências.

Não existe cura para a granulomatose de Wegener, mas o tratamento é indispensável. Por tratar-se de doença autoimune, a utilização de corticoides em doses elevadas é a base da terapêutica utilizada.

5. Infecção por citomegalovírus

O citomegalovírus (CMV) é um vírus da mesma família daqueles que provocam a catapora e o herpes. Na maioria dos casos, sua presença no organismo humano não provoca sintomas, mas ele está lá.

Na verdade, o CMV, uma vez no corpo, nunca mais se retira, permanecendo latente até que surja um momento de fragilidade nas defesas do organismo. Quase todas as pessoas do planeta carregam consigo esse vírus, embora não estejam doentes.

Entre as diversas partes do corpo que podem ser infectadas estão os olhos. Nesse caso, havendo baixa imunidade da pessoa, o CMV pode se manifestar na forma de uma retinite por CMV.

A retinite por CMV é uma grave infecção da retina que ocorre mais comumente em pessoas com o vírus HIV (AIDS), embora não exclusivamente. Essas pessoas apresentam fragilidades no seu sistema imunológico e, por essa razão, o organismo permite a manifestação do CMV.

A retinite por CMV pode causar hemorragias e necrose da retina, podendo levar à perda da visão. O tratamento da doença é feito principalmente com a utilização de medicamentos antivirais.

6. Infecção por HIV

A infecção pelo vírus HIV, que provoca a AIDS, pode conduzir a danos em praticamente qualquer parte do olho. Assim, desde as pálpebras como as regiões mais profundas e posteriores do órgão da visão podem ser danificadas ocasionando, por exemplo, as retinites e o descolamento de retina.

A perda de grande parte da imunidade por ação do vírus torna a pessoa muito suscetível a infecções oportunistas. Assim, se não tratada adequadamente, pode levar a uma série de doenças que afetam a visão, como a retinite por CMV anteriormente descrita.

Nesse sentido, podem ser citadas, entre outras:

Em todos os casos apontados, é indispensável o acompanhamento de um oftalmologista para um diagnóstico preciso e prescrição do tratamento adequado. Como se viu, embora algumas doenças não tenham cura, ainda assim podem ser tratadas, evitando-se perda de qualidade de vida.

A vasculite retiniana pode ser provocada por diversas doenças, sobretudo aquelas autoimunes e oportunistas. A consulta rotineira com um retinólogo (oftalmologista especializado em retina) é indispensável para se evitar o tratamento tardio.

Se você gostou deste post, assine nossa newsletter e esteja seguro de receber o que precisa para a segurança e saúde de seus olhos.

Avatar

Prof. Dr. Alexandre Rosa

Formado em Medicina pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e doutorado em Oftalmologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia e da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo. Especialista em doenças da retina e vítreo pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Professor de Oftalmologia da Universidade Federal do Pará.

Participe do grupo exclusivo no telegram sobre doenças visuais.

Quero Participar!
Open chat
Olá...Posso ajudar?