• Blog
  • Conheça 9 doenças nos olhos comuns na terceira idade!

Conheça 9 doenças nos olhos comuns na terceira idade!

À medida que ficamos mais velhos, alguns órgãos podem ficar mais suscetíveis ao surgimento de debilidades. Isso também ocorre com os olhos, por isso, muitos idosos enfrentam com frequência doenças relacionadas à visão. Os olhos são órgãos sensíveis que requerem o máximo de cuidado.​

Com o aumento da expectativa de vida, algumas doenças que antes eram pouco comuns, cada vez se tornam mais frequentes.

Por isso, no post de hoje, apresentamos as 9 doenças de olhos mais comuns na terceira idade. Continue a leitura e fique atento!

1. Presbiopia

A presbiopia, também conhecida como vista cansada, não é bem uma doença, e sim uma condição que ocorre em todas as pessoas após os 40 anos.

A presbiopia resulta em perda da qualidade visual em relação a objetos próximos, especialmente em ambientes com pouca luz. As letras de uma revista, por exemplo, parecem borradas, sendo necessário afastar o texto para melhor visualizá-lo.

Quando ignorada, a condição pode provocar dores de cabeça e fadiga. A correção da presbiopia pode ser alcançada por meio da utilização de óculos ou lentes de contato.

2. Glaucoma

glaucoma é uma doença que ocorrre após a elevação da pressão nos olhos. Esse aumento da pressão pode lesionar o nervo óptico e como consequência  levar à perda da visão periférica, e até mesmo a perda total da visão no olho atingido se não houver acompanhamento e tratamento adequado.

Na parte posterior dos olhos, logo atrás da íris, ocorre a produção de um liquido chamado humor aquoso. Quando por alguma razão há uma dificuldade na drenagem desse líquido, a pressão do olho aumenta, provocando danos no nervo óptico.

Por essa razão, é preciso tratar o glaucoma logo no início. Dessa maneira, é possível evitar o dano do nervo e a consequente cegueira irreversível.

3. Catarata

catarata é a principal causa de cegueira reversível em todo o mundo. Embora seja mais comum após os 50 anos, ela ocorre de modo natural e pode aparecer em pessoas de qualquer idade.

A catarata consiste na perda progressiva da transparência do cristalino, que é uma lente localizada atrás da íris. Ele, então, fica opaco. Com isso, a nitidez das imagens é reduzida progressivamente conforme a doença avança. O tratamento da catarata é cirúrgico.

4. Degeneração macular relacionada à idade

degeneração macular relacionada à idade, conhecida pela sigla DMRI, é a principal causa de perda da visão após os 50 anos de idade. Trata-se da destruição dos fotorreceptores da mácula, uma estrutura localizada na parte central da retina.

Em geral, as queixas iniciais costumam ser uma perda da visão central, com a percepção de manchas ou borrões. Além disso, a pessoa pode começar a ver deformidades nas coisas, o que chamamos de metamorfopsia.

No entanto, não há perda da visão periférica. A DMRI costuma ocorrer nos dois olhos, na maioria dos casos um olho é mais afetado que o outro. Esssa doença necessita de acompanhamento períodico com retinólogo e tratamento nos casos da forma exsudativa ou úmida.

5. Retinopatias

São doenças que acometem a retina, as causas mais comuns são: a hipertensão arterial e o diabetes. O efeito dessas enfermidades na estrutura dos olhos se observa nos vasos oculares, provocando a deformação deles, extravasamento de líquidos e até hemorragias.

A retinopatia se instala lentamente. Seus sintomas são variados, podendo incluir vista borrada e até mesmo perda repentina da visão. Paciente com diabetes e hipertensão necessitam realizar exames de fundo de olho periodicamente.

6. Buraco de mácula

Doença que atinge a mácula (estrutura situada no centro da retina), a enfermidade é responsável por causar diminuição da acuidade visual e comprometimento do campo central da visão. O buraco de mácula é mais comum em mulheres após os 55 anos. Alguns sintomas comuns são visão dupla, dificuldade de ler e distorção da imagem de objetos.

A causa da doença não é completamente compreendida, mas pode estar relacionada a fatores como traumas oculares, alta miopia e exposição ao sol. O tratamento é feito a partir de uma cirurgia no vítreo, conhecida como vitrectomia. O ideal é fazer visitas regulares ao oftalmologista para identificar com antecedência.

7. Blefarite

A blefarite é caracterizada pela inflamação das pálpebras, que podem coçar e ficar irritadas e vermelhas. Embora não traga danos permanentes à visão, a enfermidade é comum e causa desconforto. Pode acontecer em todas as idades.

A causa da doença está relacionada ao funcionamento das glândulas existentes próximas à base dos cílios. Se elas não funcionarem corretamente, pode haver a ocorrência de irritação, coceira e inflamação, condição que caracteriza a enfermidade.

A melhor maneira de tratar o quadro é com a aplicação de compressa morna na região, higienização com loção espcífica e aplicação de pomadas que tenham antibióticos em casos mais graves. Tudo, claro, devidamente prescrito pelo médico especializado.

8. Moscas volantes

Caracterizada por enxergar pontos escuros que se movem na frente de um ou dos dois olhos, as moscas volantes são causadas pelo processo natural de deslocamento do vítreo, um gel que preenche a cavidade posterior do globo ocular.

É mais comum em pacientes maiores de 45 anos, que tenham um histórico de miopia ou tenham passado por tratamento ou cirurgia ocular, bem como entre aqueles pacientes que tenham tido algum tipo de inflamação ou trauma nos olhos.

Mais uma vez, o mais importante é fazer o acompanhamento adequado com um médico  retinólogo para identificar corretamente a gravidade do quadro, pois alguns poucos casos pode estar associada há risco de rasgaduras na retina e descolamento de retina.

9. Síndrome do olho seco

Caracterizada pela anomalia na produção ou qualidade da lágrima, o que gera a secura do olho, da conjuntiva (membrana que reveste a região interna da pálpebra) ou da córnea, a síndrome de olho seco afeta principalmente mulheres mais idosas.

A produção adequada da lágrima é importante porque essa é uma substância que garante a saúde dos olhos ao proteger, limpar e lubrificar a região. O uso de alguns medicamentos, como os antidepressivos, ou o envelhecimento natural podem ser causas da redução das glândulas lacrimais, bem como algumas doenças autoimunes como o lúpus.

Locais com ar-condicionado, muita fumaça ou clima quente e seco são outros agravantes. Os sintomas mais comuns são vermelhidão, ardor, coceira, secura e sensação de corpo estranho no olho.

O tratamento consiste no controle de ambientes adversos, bem como na mudança de hábitos pouco saudáveis, e na utilização de lubrificantes oculares. Para a eficácia das medidas, o acompanhamento do oftalmologista é indispensável.

Pelo que mostramos até aqui, deu para perceber o quanto as consultas são importantes, não é? Não deixe de visitar regularmente um oftalmologista para obter um diagnóstico adequado e começar a tratar qualquer doença dos olhos ainda no começo. Investir em clínicas de qualidade é fundamental para garantir a sua saúde e evitar problemas futuros.

Agora que você já sabe quais são as doenças de olhos mais comuns em pessoas da terceira idade, aproveite para curtir a nossa página no Facebook e fique sempre por dentro das dicas que temos a oferecer a você sobre o tema!

Conheça 9 doenças nos olhos comuns na terceira idade!
5 (100%) 2 vote[s]
Avatar

Prof. Dr. Alexandre Rosa

Formado em Medicina pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e doutorado em Oftalmologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia e da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo. Especialista em doenças da retina e vítreo pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Professor de Oftalmologia da Universidade Federal do Pará.

Deixe um comentário