O que é DMRI ou Degeneração Macular Relacionada à Idade?O que é DMRI ou Degeneração Macular Relacionada à Idade?

O processo de envelhecimento afeta várias partes do nosso corpo, inclusive os olhos. Um exemplo disso é a degeneração macular relacionada à idade, uma condição que sempre gera muitas dúvidas e perguntas sobre o que é DMRI.

Trata-se de um problema mais frequente em pessoas acima de 55 anos. O que ocorre é a degeneração das células sensíveis à luz que ficam no centro da nossa retina, uma área chamada de mácula.

Vale ressaltar que a retina é a estrutura ocular responsável por captar os impulsos luminosos e enviá-los ao cérebro por meio do nervo óptico. Dessa maneira, é formada a visão. Portanto, os pacientes com degeneração macular percebem uma piora ao tentar enxergar algo, principalmente nos estágios mais avançados dessa condição.

O que é DMRI e quais os sintomas?

Após entender o que é DMRI, saiba que, nas fases iniciais do problema, nem sempre é possível perceber grandes alterações na visão. Todavia, com o tempo, os incômodos começam a aparecer das seguintes formas:

É preciso estar sempre atento a esses sintomas para procurar a ajuda de um oftalmologista retinólogo (especialista em retina) quanto antes. Saiba que a degeneração macular relacionada à idade é um assunto sério, que atinge cerca de 3 milhões de idosos no Brasil e é a primeira causa de cegueira na terceira idade, de acordo com informações do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO).

Leia mais no e-book que preparamos para explicar tudo sobre a degeneração macular relacionada à idade.

A DMRI tem tratamento ou cura?

Infelizmente, a DMRI não possui uma cura definitiva, mas é possível retardar a progressão da doença. Isso é feito com determinados medicamentos, complexos vitamínicos e uso de óculos.

O controle dessa degeneração da mácula foi o assunto abordado em um dos nossos programas de podcast. Escute aqui.

Aprenda mais sobre o que é DMRI

Por ser um problema preocupante que a afeta a saúde ocular, o médico oftalmologista e especialista em doenças da retina da RetinaPro, Prof. Dr. Alexandre Rosa, preparou o vídeo a seguir para que você possa aprofundar os seus conhecimentos sobre o que é DMRI.

Em caso de qualquer dúvida que tenha restado, venha conversar com os nossos especialistas. Também nos siga nas nossas redes sociais para ficar por dentro de outros temas da oftalmologia: Instagram, Facebook, Youtube, LinkedIn, Twitter e Spotify.

Como a toxoplasmose no olho se manifesta?Como a toxoplasmose no olho se manifesta?

Você já ouviu falar em toxoplasmose no olho? Ao contrário das doenças oftalmológicas mais conhecidas, essa não é causada pelo processo de envelhecimento, algum hábito ruim ou uma mudança na estrutura dos globos oculares. Na verdade, a origem dela está na infecção pelo protozoário Toxoplasma gondii.

Esse microrganismo é encontrado nas fezes de gatos e outros felinos, podendo infectar os seres humanos. De acordo com o Ministério da Saúde, a transmissão ocorre pela ingestão de alimentos e água contaminados pelo protozoário, de forma congênita (por meio da gravidez, de mãe para filho) e, raramente, pela inalação de aerossóis contaminados.

Os sintomas da toxoplasmose no olho

Um fato interessante sobre essa doença é que, nos primeiros momentos da infecção, o paciente não apresenta sintomas. Porém, com o avanço da condição, os incômodos se assemelham aos de uma gripe: cansaço, febre e dores musculares.

O perigo maior está na toxoplasmose ocular que, em casos graves, pode levar à baixa visão ou até à cegueira total. Os sintomas da presença do parasita nos olhos são:

Percebeu esses incômodos? Procure o médico oftalmologista rapidamente. Você também pode se aprofundar ainda mais no assunto com o programa de podcast que gravamos sobre toxoplasmose no olho.

Os tratamentos

Quanto antes a toxoplasmose no olho for tratada, menores os riscos de complicações que o paciente sofrerá. A intervenção inicial para esse problema é o uso de medicamentos que visam eliminar o protozoário.

Todavia, em casos graves, pode ocorrer o descolamento de retina. Assim, é necessária uma intervenção cirúrgica.

Aprenda mais sobre o descolamento de retina neste e-book que produzimos.

Entenda mais sobre a toxoplasmose no olho

Compreender as condições perigosas que afetam a nossa saúde ocular é essencial para saber como nos proteger delas. É o caso da toxoplasmose no olho.

Portanto, confira o vídeo a seguir que o Prof. Dr. Alexandre Rosa, médico oftalmologista e especialista em doenças da retina da RetinaPro, preparou sobre o assunto.

Amplie ainda mais os seus conhecimentos sobre a saúde dos olhos com os materiais que publicamos em nossas redes sociais: Instagram, Facebook, Youtube, LinkedIn, Twitter e Spotify. Caso surja qualquer dúvida sobre toxoplasmose no olho ou outro assunto, entre em contato com os nossos especialistas.

Você sabe o que é catarata?Você sabe o que é catarata?

Você está com a visão embaçada, tem dificuldades para ler ou realizar outras atividades e está com sensibilidade à luz? Então, você precisa saber o que é catarata e como essa doença se desenvolve.

Esse problema, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, conta com 550 mil novos diagnósticos anualmente no Brasil. Normalmente, afeta pessoas com mais de 50 anos, sendo que quase 70% dos pacientes com mais de 80 anos têm essa doença.

Mas, além da idade, essa enfermidade também pode ocorrer por diversos outros motivos, como uso de certos medicamentos, diabetes, hipertensão, entre outros. Continue lendo o nosso artigo e saiba mais sobre o que é catarata.

O que é catarata?

A catarata ocorre quando o cristalino, uma estrutura transparente que fica localizada entre a íris e o humor vítreo, torna-se opaca. Essa parte do olho tem como função focar os raios de luz que entram no globo ocular e levá-los até a retina.

Mas, quando essa estrutura não está transparente e no estado que deveria, os raios não conseguem chegar até a parte posterior do olho, tornando a visão turva ou a incapacitando de forma total.

Segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmologia, essa doença é a principal causa de cegueira e de baixa visão. Apenas aqui no Brasil, há mais de 350 mil cegos por causa da catarata.

Para saber mais, dê play no vídeo abaixo e confira a explicação da Dra. Izabela.

Faça nosso curso gratuito sobre essa doença!

Como diagnosticar esse problema?

Já sabendo o que é catarata, é importante entender como é feito o diagnóstico dessa doença. De forma geral, o oftalmologista considera os sintomas do paciente, avalia os seus olhos e realiza um exame chamado biomicroscopia, que consiste na análise do cristalino utilizando uma lâmpada de fenda.

Apesar desse problema ser mais comum em pessoas da terceira idade, ele também pode ocorrer com recém-nascidos. Por isso, é essencial a realização do teste do olhinho para garantir que está tudo certo com o bebê.

Leia agora: Você sabe a importância do teste do olhinho?

Para mais informações sobre catarata e seus tipos, veja o nosso vídeo exclusivo com o Dr. Edmundo.

Se você ainda tiver alguma dúvida sobre o que é catarata, entre em contato conosco e fale com um especialista. E para ver mais conteúdos desse tipo, siga-nos no Facebook, Instagram, canal do YouTube e Spotify.

O que é retinopatia da prematuridade?O que é retinopatia da prematuridade?

Muitos pais se perguntam o que é retinopatia da prematuridade, questionando como devem agir para auxiliar os seus filhos e evitar qualquer complicação. Afinal, essa doença séria pode acarretar perda da visão ainda durante a infância.

Segundo os Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, essa doença é a maior responsável pela cegueira infantil atualmente. Esse dado está diretamente ligado com os avanços feitos pela medicina para lidar com bebês prematuros.

Continue lendo para saber mais e confira o que é retinopatia da prematuridade.

Afinal, o que é retinopatia da prematuridade?

Para entender o que é retinopatia da prematuridade, é preciso entender um pouco mais sobre o desenvolvimento do bebê, especificamente sobre a formação dos vasos sanguíneos da parte posterior do olho.

Essa vascularização se completa, de acordo com a Sociedade de Pediatria de São Paulo, entre 36 a 40 semanas de gestação. O problema ocorre, então, quando o bebê nasce antes desse período, o que interrompe a formação dos vasos sanguíneos da retina.

Como consequência, eles se desenvolvem de forma anormal, podendo causar alguns problemas, como o descolamento da retina ou sangramentos.

É possível tratar esse problema?

Agora que você já sabe o que é retinopatia da prematuridade, deve estar se perguntando se é possível tratar esse problema. Atualmente, há diversas técnicas que podem ser utilizadas, dependendo diretamente do grau de seriedade de cada paciente.

Entre as principais, podemos citar:

Se você deseja saber mais informações, dê play no vídeo abaixo e confira a explicação do Dr. Renato Palácios.

Assim como já falado no vídeo, o importante é ter o diagnóstico precoce para identificar a doença e iniciar o seu tratamento. Por isso, se seu filho nasceu de forma prematura, não deixe de realizar consultas regulares com um oftalmologista.

Se você ainda tem alguma dúvida, entre em contato conosco. Aproveite para nos seguir também no Facebook, Instagram, canal do YouTube e Spotify. Assim, você receberá todos os novos conteúdos sobre saúde ocular.

Qual a relação das doenças reumatológicas e a visão?

Entender mais sobre a relação entre as doenças reumatológicas e a visão é essencial para todos os pacientes que sofrem com essas enfermidades e desejam prevenir ou tratar qualquer problema ocular.

Com o devido acompanhamento por parte do oftalmologista e do reumatologista, torna-se possível ter uma vida regular, sem precisar se preocupar com complicações, dores ou inflamações.

Continue lendo para saber mais e confira a relação entre doenças reumatológicas e a visão.

O que são, exatamente, doenças reumatológicas?

Para compreender a relação entre doenças reumatológica e visão, é preciso entender mais sobre elas de forma geral. Esse termo é utilizado para falar sobre o conjunto de diversas enfermidades que afetam:

Existe mais de 100 tipos de doenças reumáticas, sendo que grande parte delas além de afetar a locomoção também compromete o funcionamento de outros órgãos, como coração, rins e olhos.

Quer saber mais? Dê play no vídeo abaixo e confira nossa live completa sobre o tema.

Como as doenças reumatológicas afetam a visão?

Algumas doenças reumatológicas, como a artrite, o lúpus, a vasculite e a Doença de Behçet, podem causar inflamações ou lesões em algumas partes do olho, como:

Diversos problemas podem ocorrer nessas áreas, como o desenvolvimento de um processo inflamatório, a formação de anticorpos que ataca o próprio olho ou até mesmo algo menos complexo, como o ressecamento.

Vale ressaltar que os medicamentos utilizados para controlar as doenças reumatológicas também podem afetar a visão.

Saiba mais sobre essa relação no nosso artigo

Por todos esses motivos, é de extrema importância que todos os pacientes com essas enfermidades façam o seu tratamento com uma equipe multidisciplinar, com um reumatólogo e um oftalmologista para acompanhar todos os sinais e buscar tratamentos para aliviar os sintomas.

Dê play no vídeo abaixo e veja mais informações sobre doenças reumatológicas e visão.

Se você ainda tiver alguma dúvida sobre o tema, entre em contato conosco e fale com um especialista.

E para conferir mais conteúdos desse tipo, conheça nossos canais digitais: Facebook, Instagram, YouTube e Spotify.

O que é a trombose da retina?O que é a trombose da retina?

A trombose da retina é um dos problemas mais comuns dessa estrutura e ocorre quando há a oclusão da veia que leva sangue para essa parte do olho. Em outras palavras, ela é caracterizada pela redução significativa ou interrupção total do fluxo sanguíneo da retina.

Essa condição também é chamada de derrame ocular e pode causar a perda súbita de visão de forma irreversível. Apesar disso não ser muito comum e ocorrer mais em pessoas a partir dos 60 anos, todos devem se preocupar com essa possibilidade.

Para falar mais sobre a trombose da retina, criamos esse artigo. Continue lendo para saber porque ela ocorre, como evitar e mais informações relevantes.

O que causa a trombose da retina?

Assim como em qualquer caso de trombose, a da retina ocorre quando um coágulo de sangue fica “preso” em uma veia, o que impede o sangue de chegar onde deveria. Isso faz com que a pressão sanguínea local fique mais alta, podendo gerar uma hemorragia na parte posterior do olho.

Esse “vazamento” de sangue faz com que a retina, mais especificamente a sua parte central, inche, provocando a perda da visão.

A formação desse coágulo, chamado de trombo, pode ocorrer por diversos motivos, mas está normalmente relacionado com outras doenças, como a hipertensão. Além disso, outras enfermidades também predispõe esse problema, como:

Saiba mais sobre a influência da hipertensão na saúde ocular na nossa live completa sobre o tema.

Como prevenir essa oclusão?

Não há exatamente um modo para prevenir a trombose de retina, uma vez que ela depende de diversos fatores. Mas, de forma geral, recomenda-se controlar as doenças acima, ter um estilo de vida saudável e realizar consultas regulares com um oftalmologista.

Por meio de exames regulares, o médico pode notar o desenvolvimento de um trombo e retirá-lo antes dele ser grande o suficiente para interromper o fluxo sanguíneo para a parte posterior do olho.

Dê play no vídeo abaixo para saber mais e veja a explicação da Dra. Thais Mendes sobre o derrame ocular.

Curtiu o artigo? Então, não deixe de nos acompanhar no Facebook, no Instagram, no YouTube e no Spotify para ver conteúdos similares.

Como usar colírio?Como usar colírio?

Você estava com algum problema ocular, foi ao médico, comprou os medicamentos indicados por ele, mas quando chegou em casa bateu aquela dúvida sobre como usar colírio? Então, esse conteúdo foi criado especialmente para você!

Apesar de parecer algo simples, existem diversos cuidados que devem ser tomados para evitar a contaminação dos olhos ou uma superdosagem, assim como aumentar a eficácia do tratamento e reduzir os sintomas incômodos.

Continue lendo para saber mais e entenda como usar colírio da forma correta, trazendo mais segurança para o seu tratamento.

Nunca use colírio sem recomendação médica!

Antes de falar sobre como usar colírio corretamente, é muito importante frisar que nenhum medicamento deve ser utilizado sem recomendação médica. Claro que isso também vale para os remédios oculares.

Existem diversas opções de colírios para reduzir os sintomas ou tratar diversas doenças, como antibióticos, anti-inflamatórios, corticoides e muitos outros. Todos eles contam com riscos, principalmente quando são utilizados de forma incorreta.

Por isso, ao sentir qualquer incômodo no olho, faça uma consulta com um oftalmologista para ter um diagnóstico e iniciar o tratamento da forma correta. O uso indevido de qualquer medicamento pode causar o agravamento da doença, o desenvolvimento de outras enfermidades ou até mesmo levar a perda da visão.

Veja mais dicas para cuidar bem dos seus olhos na nossa live sobre assunto.

Como usar colírio?

Agora que você já sabe a importância de consultar com um oftalmologista antes de usar colírio, podemos falar um pouco mais sobre a sua aplicação.

Por mais chocante que isso pareça, grande parte das pessoas utiliza esse medicamento da forma incorreta, fechando os olhos para a sua aplicação. O ideal é que o colírio faça contato diretamente com a superfície ocular, o que quer dizer que ele deve ser aplicado com o olho aberto.

Outra dica interessante é evitar tocar a ponta da embalagem no olho, já que pode causar uma infecção.

Quer ver mais dicas e aprender como usar colírio da forma correta? Dê play no vídeo abaixo e veja a explicação da Dra. Thais Mendes, aqui da RetinaPro.

Para saber mais sobre saúde ocular, acompanhe os nossos canais digitais, como Facebook, Instagram, canal do YouTube e Spotify.

Como tratar a uveíte: baixe o nosso e-bookE-book: Uveíte: entenda o que é, como identificar e como tratar

A uveíte é uma condição oftalmológica inflamatória que requer tratamento adequado para evitar complicações. Aqui, abordamos em detalhes como os tipos, sintomas, as opções de tratamento disponíveis. Conte com a RetinaPro para obter informações valiosas sobre como cuidar da sua saúde ocular. Além disso, conte com o nosso e-book para fornecer as orientações úteis para lidar com a uveíte e garantir o melhor cuidado possível para seus olhos.

O que é uveíte?

A uveíte é a inflamação que ocorre na úvea, uma parte do olho que é formada por três estruturas:

Essa inflamação pode afetar uma ou todas essas partes, além de apenas um olho ou os dois, levando a uma série de complicações visuais se não for tratada adequadamente. Se a inflamação afetar as partes, chamamos de pan-uveíte.

Como é feito o diagnóstico?

Para fazer o diagnóstico, o oftalmologista avalia os sintomas do paciente, assim como pode requisitar alguns exames para eliminar outras enfermidades com manifestações similares, como exame de fundo de olho, medida da pressão intraocular, entre outros. Além disso, exames de imagem como tomografia de coerência óptica (OCT) e angiografia fluoresceínica também podem ser utilizados para avaliar o estado da úvea.

A uveíte deve ser investigada e diagnosticada quanto antes, para evitar qualquer complicação. Segundo pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), a doença é responsável por 15% das causas de cegueira nos países do Ocidente.

Como tratar a uveíte?

O tratamento da uveíte pode variar conforme a gravidade e a causa subjacente da inflamação. Em geral, o objetivo é controlar a inflamação, também aliviar os sintomas que podem incomodar o pacientem, além de prevenir danos permanentes à visão. Para isso, considera-se o uso de colírios, medicamentos anti-inflamatórios, imunossupressores, injeções intravítreas ou até mesmo cirurgia em casos graves. Sendo assim, é recomendado consultar um profissional oftalmologista para diagnosticar e prescrever as melhores opções de tratamento. Conte com a RetinaPro para isso.

Quanto tempo demora para curar uma uveíte?

O tempo necessário para a cura da uveíte dependerá de vários fatores, como: a gravidade da condição, a resposta ao tratamento e a presença de outras condições médicas subjacentes. Em alguns casos, a condição poderá ser controlada com sucesso em poucas semanas ou meses. Já em pacientes que desenvolveram um caso crônico, pode ser necessário um tratamento contínuo ao longo da vida para manter a inflamação sob controle.

Quais sintomas da Uveíte?

A uveíte pode apresentar nos pacientes diversos sintomas, que irão mudar de caso para caso a depender da parte da úvea afetada e também da gravidade da inflamação. Alguns sintomas comuns incluem dor ocular, visão embaçada, vermelhidão nos olhos, mudanças na pupila, sensibilidade à luz (fotofobia), diminuição da visão, visão de manchas flutuantes (moscas-volantes), olhos lacrimejando ou secos.

Quais causas da Uveíte?

A uveíte pode ser causada por uma série de fatores, incluindo infecções, doenças autoimunes, trauma ocular, inflamação sistêmica, entre outros. Infecções virais, como herpes e citomegalovírus, e infecções bacterianas, como tuberculose e sífilis, são algumas das causas infecciosas comuns da uveíte.

Saiba mais sobre as inflamações oculares na nossa live completa sobre o tema!

Quais tipos de Uveíte?

Existem vários tipos de uveíte, dependendo da parte específica da úvea afetada e da causa subjacente da inflamação. Os principais tipos incluem:

 

 

Cada tipo de uveíte pode apresentar sintomas e complicações diferentes, exigindo abordagens de tratamento específicas. Que saber mais? Baixe nosso e-book!

 

Baixe o nosso e-book!

Se você deseja saber mais sobre como tratar a uveíte, seus sintomas, sua forma de diagnóstico e possíveis métodos de tratamento, baixe agora mesmo o nosso e-book de forma gratuita. Ele foi elaborado pelos nossos especialistas e ajudará você a cuidar melhor de si mesmo.

Baixe agora mesmo!

E para mais conteúdos desse tipo, visite os nossos outros canais digitais, como: Facebook, Instagram, canal do YouTube e Spotify.

O que é presbiopia: saiba mais sobre a vista cansada!O que é presbiopia: saiba mais sobre a vista cansada!

Você com certeza já ouviu falar na vista cansada, uma condição que ocorre com o passar dos anos e reduz a capacidade visual de focar de perto.  Esse problema é chamado pelos oftalmologistas de presbiopia e é muito comum, principalmente durante a terceira idade.

De forma geral, quase todo mundo acaba sendo afetado por ela com o avanço da idade, mas muitos não percebem essa mudança, já que os sintomas aparecem de forma discreta e vão se intensificando lentamente.

Continue lendo para saber mais sobre a presbiopia, entender porque ela acontece e ver um vídeo exclusivo da RetinaPro.

O que é a presbiopia?

A presbiopia é uma alteração na visão que afeta, principalmente, pessoas a partir dos seus 40 anos. Esse problema chega no seu maior nível lá pelos 60 anos, idade em que é bem comum ter dificuldade para ler ou fazer crochê, por exemplo.

Mas por que isso acontece? De forma bem resumida, a vista cansada acontece quando uma estrutura do olho, chamada de cristalino, não consegue mais fazer o seu trabalho como deveria.

O cristalino é uma parte do olho que muda a sua forma para que possamos focar tanto de perto quanto de longe. Mas, com o tempo, ele começa a ficar mais “duro”, sem conseguir se moldar para as diferentes distâncias.

Como falado, isso é algo natural que ocorre com o envelhecimento. Porém, há alguns fatores que predispõem essa condição, como algumas doenças oculares e o tempo excessivo de tela.

Saiba mais sobre a influência das telas na visão na nossa live completa sobre o tema.

Quais são os sintomas?

Além de causar dificuldade para enxergar de perto, a presbiopia também pode ser acompanhada de outras sintomas, como:

Se você deseja saber mais sobre a vista cansada, não deixe de conferir o nosso vídeo com o Dr. Alexandre Rosa, aqui da RetinaPro.

Ficou com alguma dúvida sobre presbiopia? Entre em contato conosco e fale com um especialista.

E para mais conteúdos desse tipo, nos siga no Facebook, Instagram, canal do YouTube e Spotify.

Quais as causas de coceira no olho?Quais as causas de coceira no olho?

Você quer saber quais são as causas de coceira no olho? Esse sintoma é bem comum e pode estar relacionado com diversos problemas, desde uma simples alergia por excesso de pó no ar até uma infecção ocular.

Infelizmente, independente do motivo, o hábito de coçar os olhos pode trazer sérias consequências para a saúde, como a piora do caso ou o desenvolvimento de ceratocone em pacientes com a predisposição a essa doença.

Continue lendo para saber mais, entenda quais são as causas de coceira no olho e veja o que fazer ao ter esse sintoma.

O que causa coceira no olho?

A coceira no olho é uma reação do nosso corpo para mostrar que há algo de errado com o globo ocular. Ela pode ocorrer por diversos motivos, mas as principais causas são:

Por que não se deve coçar os olhos?

Agora que você já sabe quais são as causas de coceira no olho, precisa entender qual é o problema de coçar esse órgão.

Quando passamos o dedo em cima do globo ocular com força, fazemos pressão no olho, que é bem sensível. Dessa forma, diversas consequências podem acontecer, como:

Saiba mais sobre ceratocone na nossa live completa sobre o tema! Basta conferir o vídeo abaixo.

Além disso, levar as mãos aos olhos sem a devida higienização predispõe infecções.

O que fazer ao ter coceira no olho?

Ao sentir prurido e não saber a causa para a coceira no olho, o mais recomendado é ir, com urgência, em um oftalmologista para fazer uma avaliação e, se necessário, iniciar um tratamento.

Apenas um especialista poderá descobrir o que está causando esse sintoma e recomendar as melhores práticas para lidar com ele, como o uso de compressas, a higienização da área ou o uso de colírio, por exemplo.

Se você deseja saber mais sobre as causas de coceira no olho, dê play no vídeo abaixo e confira o que a Dra. Thais Mendes tem a dizer sobre esse tema.

Ainda ficou com alguma dúvida? Entre em contato conosco e fale com um de nossos especialistas,

E se quiser ver mais conteúdos desse tipo, nos acompanhe no Facebook, no Instagram, no YouTube e no Spotify.

E-book: Parecer da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo

O uso de células tronco em oftalmologia carrega consigo a esperança de milhares de pacientes a respeito do tema. (mais…)

E-book: Degeneração Macular relacionada a idade

Os olhos são as estruturas mais delicadas do corpo humano em contato direto com o ambiente, e sua suscetibilidade a determinados transtornos pode aumentar com o passar do tempo. (mais…)